Terça-feira, 08.06.10

O Senador e seus fantasmas

A capacidade do Congresso de produzir escândalos parece não ter fim: Efraim Morais contratou 52 funcionários-fantasma pagos pelo Senado Federal.
Efraim Morais: cabos eleitorais recebiam salário mensal do Congresso Nacional para fazer campanha do senador no interior da Paraíba
O senador Efraim Morais, do Democratas da Paraíba, está na vida pública há 27 anos. Já foi duas vezes deputado estadual, teve três mandatos de deputado federal, presidiu a Câmara por dez meses e está no Senado desde 2003. Apesar do currículo extenso, ele jamais se destacou pela atividade política. O parlamentar é conhecido pela desenvoltura com que transita em áreas que tratam de comissões, cargos, compras, licitações e contratações de funcionários. Nos últimos quatro anos, Efraim esteve à frente da primeira-secretaria, cujas funções se assemelham às de um prefeito da Casa. Nesse período, milhões de reais desapareceram em contratos fraudados e burocratas fizeram fortuna da noite para o dia. Há quatro meses, o Senado enfrenta uma onda de escândalos que tem como epicentro justamente o gabinete ocupado até janeiro passado por Efraim Morais – e que continua a produzir novidades assustadoras. A última delas: o senador paraibano mantinha uma tropa de 52 funcionários-fantasma, oficialmente contratados para trabalhar no Congresso, mas que, na verdade, eram cabos eleitorais pagos pelo contribuinte apenas para tocar assuntos de interesse exclusivo do senador e de seus aliados. Um comitê eleitoral permanente financiado com dinheiro público.
Leia mais: http://veja.abril.com.br/200509/p_064.shtml
publicado por Lord às 13:20 | link do post | comente
Sábado, 22.05.10

Senado cria comissão para investigar caso de funcionárias fantasmas no gabinete de Efraim Morais

A diretoria geral do Senado abriu sindicância para apurar as denúncias de duas supostas funcionárias fantasmas que recebiam salário

Senador Efraim Morais
sem nunca ter trabalhado no gabinete do senador Efraim Morais (DEM-PB).

Camila Campanerut - UOL Notícias

As irmãs Kelly e Kelriany Nascimento da Silva afirmam ter recebido uma espécie de “bolsa-educação” de R$ 100 mensais, por um ano, em troca de autorizaram a abertura de contas bancárias seus nomes. O acordo teria sido intermediado por Kátia Bicalho, irmã de Mônica Conceição Bicalho, que trabalhou como assessora jurídica de Efraim por sete anos. Ao tentar abrir uma conta bancária, Kelriany teria descoberto que tinha dívidas e que constava como funcionária do Senado, recebendo salário de R$ 3.800. As irmãs denunciaram a fraude à Polícia Civil de Sobradinho, cidade-satélite do Distrito Federal. Segundo boletim administrativo do Senado divulgado nesta sexta-feira (21), uma comissão foi criada e três servidores já foram designados para compor o grupo que irá investigar a situação das irmãs. Paralelamente, a Polícia Legislativa apura o caso. Ontem, as jovens prestaram depoimento por mais de 7h. Nesta sexta-feira (21) um homem, que atua como contínuo no gabinete do parlamentar, também foi ouvido. Ele teria tomado posse em nome das irmãs por uma procuração falsa, mas a polícia não confirma a versão. Na próxima semana, será ouvida a ex-servidora Mônica da Conceição Bicalho. Em nota, Mônica admite a irregularidade, mas nega que o senador tenha conhecimento das contratações.

publicado por Lord às 11:54 | link do post | comente

posts recentes

links

free counters
eXTReMe Tracker

tags

subscrever feeds

últ. comentários