O aumento dos aposentados

O presidente Lula deve decidir até o fim desta semana qual destino dará a lei aprovada pelo Congresso concedendo reajuste de 7,72% aos aposentados pelo INSS. Segundo interlocutores do presidente, é muito provável que ele siga o conselho da equipe econômica e vete o projeto aprovado.

Postado por Cristiana Lôbo

Se isso for feito, Lula será obrigado a editar uma outra medida provisória para reajustar o benefício dos aposentados. Ele optaria pelo mesmo valor da medida original – 6,14%. Segundo um ministro, este porcentual foi resultado de acordo com os representantes dos aposentados que, mais tarde, foram ao Congresso pressionar por aumento maior.

A solução de dar aumento de 7% – uma proposta que foi cogitada no Congresso – não faria sentido, segundo um ministro, porque ele sofreria o desgaste político de vertar um aumento aos aposentados, e ficaria a R$ 700 milhões de reais da lei aprovada pelo Congresso.

Não haveria problema na edição de uma medida provisória no mesmo porcentual de 6,14% porque esta foi editada no ano passado – a lei não permite edição de MP igual no mesmo ano.

Os ministros da área econômica sugeriram o veto à lei aprovada pelo Congresso porque, segundo Paulo Bernardo, o custo anual do reajuste dos aposentados ficaria em quase R$ 5 bilhões por ano. É que a reposição da inflação implicaria reajuste de 3,5%. A partir daí, cada ponto porcentual custaria aos cofres públicos R$ 1 bilhão de reais.

Na reunião de coordenação, hoje, foi lembrado que Lula em 2006 vetou reajuste aos aposentados, mesmo em período em que enfrentava uma difícil campanha presidencial. Hoje, os petistas avaliam que a disputa corre mais a favor de Dilma do que no caso de Lula em 2006.

publicado por Lord às 17:00 | link do post | comente